InícioDicas5 técnicas para errar menos na vida

5 técnicas para errar menos na vida

Se definirmos inteligência como uma capacidade, força, sentido e resultante, estamos destinados a ficar perplexos com as falhas e erros repetidos das pessoas. Podemos nos surpreender: “Como ela ou ele pode ter feito isso? Ele é tão brilhante …”.

Para explicar os contínuos lapsos de julgamento, podemos tirar a carta da insanidade (“Ele deve ter enlouquecido”) ou considerar a falta de moralidade (“Ela sabe mais, mas busca o poder acima de tudo”).

Enquanto alguns de nós estamos seriamente preocupados com a dissonância cognitiva de que uma pessoa inteligente pode agir sem inteligência, a maioria de nós vai direto para a demissão ou – graças às redes sociais – ódio.

De qualquer forma, entender a inteligência como uma qualidade monolítica é um erro que pode aumentar o sofrimento desnecessário.

À medida que entendemos mal, julgamos e nos distanciamos de outras pessoas que se comportam aparentemente de maneira inconsistente, nos afastamos ainda mais da felicidade, como “nos sentindo engajados e inter-relacionados”

Quando se trata de beleza física, parece que não temos esse problema, pelo menos não no mesmo grau. Não esperamos que alguém com olhos marcantes tenha um cabelo bonito.

Uma pessoa fisicamente atraente ainda pode ter uma mancha, um dia de cabelo ruim, uma cara de ressaca depois de uma festa.

Depois de declarar uma pessoa inteligente, parece chocante que ela possa fazer ou dizer coisas estúpidas, como acreditar em estranhas teorias da conspiração ou em uma raça ou gênero superior.

Quando as pessoas descobrem que Albert Einstein era muito ruim para aprender línguas, andava sem meias ou comia ovos que ainda tinham cocô de galinha na casca, geralmente não acreditavam.

Talvez ele estivesse entediado em aprender línguas? Muito ocupado inventando teorias para tirar a sujeira de seus ovos? Quem sabe pessoas muito inteligentes não se importam com meias? Hmm. Desculpas, eu digo. Razões que não criamos para pessoas mais comuns.

É mais provável que existam diferentes formas do que é considerado inteligente, conforme sugerido por Howard Gardner.

Ele propôs pelo menos oito tipos específicos de inteligência em vez de apenas uma habilidade: musical, espacial, linguística, lógica / matemática, cinestésica, inteligência interpessoal, intrapessoal e naturalista (acrescentada posteriormente), e talvez inteligência existencial.

Sugestão:  6 motivos para esperar pelo relacionamento certo

As categorias de Gardner permitem que pessoas reais – ao contrário das pessoas que colocamos em um pedestal ou empurramos de um – comecem a fazer mais sentido.

Quando permitimos mais complexidade, ficamos mais gratos com as diversas contribuições e possivelmente nos abstivemos de julgamentos severos, incluindo autojulgamento.

Torna-se mais aceitável que uma pessoa possa ser muito inteligente aqui e não tão inteligente ali. Fazemos as pazes com a realidade quando percebemos que ninguém sabe tudo.

Mais fundamentados, podemos apenas aprender a nos relacionar, perdoar e deixar ir. Tudo isso aumenta a probabilidade de tropeçar na felicidade.

Além disso, Jeff Hawkins, com a empresa de pesquisa em neurociência Numenta, recentemente compartilhou uma nova teoria da inteligência chamada A Thousand Brains.

Ele acredita que a inteligência tem três componentes amplos: 1) quadros de referência (mecanismos neurológicos com os quais construímos modelos / mapas de mundo), 2) capacidade neurológica (quantidade de neurônios, sinapses, colunas corticais) e 3) treinamento.

Seríamos mais ou menos inteligentes dependendo de todos os três componentes. Por exemplo, se tivéssemos grande capacidade, mas faltasse prática, nossos referenciais não nos ajudariam a fazer previsões futuras precisas.

Hawkins explica ainda o que são referenciais (modelos do mundo) e como a inteligência está ligada à qualidade de nossos referenciais. Em suma, construímos quadros de referência que nos ajudam a navegar em nosso ambiente físico e objetos abstratos em humanos. Temos então 150.000 colunas corticais – como pequenos pedaços de espaguete – empilhados lado a lado em nosso neocórtex, que criam quadros de referência.

O cientista explica que “o cérebro organiza todo o conhecimento usando referenciais e que o pensamento é uma forma de movimento. O pensamento ocorre quando ativamos localizações sucessivas em referenciais”.

Cada coluna cortical teria milhares de quadros de referência (mapas do mundo) e se sobreporia a milhares de outras colunas.

Todos os referenciais relevantes seriam ativados e votados juntos para chegar a um consenso para determinar se uma xícara é realmente uma xícara.

O que isso pode significar para nós, pensando sobre inteligência e como nos relacionarmos com a inteligência? Um movimento inteligente na vida, seja ele concreto ou abstrato, depende de muitos fatores.

Sugestão:  8 princípios básicos que se deve ter em conta num relacionamento

Como disse, precisamos de alguma matéria-prima (capacidade neurológica) e uma oportunidade para praticar (treinamento).

Ainda assim, também precisamos construir milhões de mapas do mundo com a ajuda de nossas 150.000 colunas corticais.

Há muito espaço para erros. Podemos ser desencaminhados por emoções e impulsos, mas essas intrusões não são, de longe, o único motivo para cometer erros aparentemente ridículos.

Se criarmos modelos errados de mundo, podemos nos perder em ideias ruins. Um especialista de confiança poderia sugerir coisas idiotas, não apenas em uma área fora de sua especialidade – onde um Einstein se torna cozinheiro – mas até mesmo em sua área.

Ela poderia ter adquirido alguns modelos ruins, ou omitido testar seus modelos (pense nas redes sociais onde as pessoas só se cercam de pessoas que concordam), ou não conseguiu integrar modelos de importância crítica.

Por exemplo, suponha que um homem tenha vários diplomas de doutorado e geralmente saiba o que é melhor de acordo com a experiência de muitas pessoas. Nesse caso, é provável que ele aprenda que geralmente está certo quando os outros têm dificuldade para entender.

Ele pode se tornar excessivamente confiante e não se alarmar com os outros apontando seus erros.

Na verdade, em seu passado, a controvérsia geralmente seguia quando ele compartilhava as verdades incômodas que resultavam de seu pensamento crítico superior. (Os modelos que fazemos do mundo incluem onde nos posicionamos na hierarquia social.)

Além disso, os modelos de mundo de alguns médicos podem seguir heurísticas rígidas (o governo nunca é confiável; as mulheres não podem pensar abstratamente; os ricos têm apenas seus interesses em mente).

Em seguida, adicione um pouco de urgência à equação – pense em uma pandemia – e, de repente, o homem que geralmente sabe o que é melhor pode dar o pior conselho de todos.

Ele ainda tem modelos do mundo que predizem com precisão coisas muito complexas com a ajuda de suas 150.000 colunas corticais, mas em alguns assuntos, ele toma o caminho errado, assim como você e eu.

Sugestão:  Aprenda a aumentar a auto-estima e o amor-próprio

Aqui estão cinco maneiras de reduzir os erros e se relacionar positivamente com a inteligência:

1) Mantenha a calma

Suas emoções, ambições, obsessões e impulso podem desviá-lo de movimentos inteligentes a qualquer momento.

Não podemos e nem devemos tentar desligar nosso lado mais primitivo porque ele fornece as mais importantes primeiras impressões em frações de segundos e nos abençoa com entusiasmo e motivação (Veja seu cérebro é como um fígado).

Em vez disso, devemos conhecer bem o nosso lado primitivo. Aprenda com isso. Fique curioso sobre isso. Decifre suas mensagens. Fique quieto. Se nossas paixões comandam o espetáculo, podemos nos beneficiar de uma forma de contemplação ou psicoterapia.

2) Continue aprendendo

Outros estão constantemente gerando ideias novas e melhores que você ainda não conhece. Fique curioso e melhore seus modelos do mundo.

3) Evite o pensamento preto e branco

Não julgue as pessoas como se fossem “inteligentes” ou “não inteligentes”. Considere diferentes tipos de inteligência e contribuições individuais. Obtenha nuances sobre sua inteligência.

Dê a si mesmo e aos outros crédito por seus pontos fortes e seja gentil com seus pontos fracos. Lembre-se: todos nós somos limitados e pertencemos à gloriosa bagunça da existência.

4) Abstenha-se da idealização

Aprenda com os especialistas e respeite o conhecimento, mas não coloque a pessoa em um pedestal. Até o melhor de nós pode ter modelos equivocados do mundo.

5) Seja flexível, seja humilde

Esteja aberto para mudar seus modelos de mundo. Existem muitas crenças falsas lá fora e em nós. Considere que você pode estar enganado ou alguém que você idealiza pode estar errado.

Se você pensa que é a pessoa mais sábia que conhece, pode ser bastante insensato. Cerque-se de pessoas que o contradigam e se deixe desafiar. Resista a dispensar outros.

Considere as perspectivas dos outros como se fossem suas, para testar a qualidade de seus modelos de mundo. viapsychologytoday

Gostou do artigo?

Toque nas estrelas para votar.

Média: / 5. Votos:

Até agora ninguém votou, vote você!

- RELACIONADAS -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Comentários recentes

Aline Cristina dos Reis Xavier on Até agora ninguém acertou o número exato
Aline Cristina dos Reis Xavier on Até agora ninguém acertou o número exato