Espada de cavaleiro das cruzadas com 900 anos é encontrada no fundo mar

Artefato de aproximadamente 900 anos está em bom estado e foi localizado por mergulhador.

Um mergulhador teve uma grande surpresa ao explorar as águas da costa do Monte Carmelo, em Israel. Shlomi Katzin se deparou com uma série de artefatos arqueológicos da época das Cruzadas no fundo do Mar Mediterrâneo. Entre eles, estava uma impressionante espada de um metro de comprimento de aproximadamente 900 anos.

Espada de cavaleiro das cruzadas

Temendo que não encontrasse novamente a espada, Katzin trouxe o artefato para a superfície e entrou em contato com a Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA).

Apesar de estar coberta de conchas, a arma está em bom estado de conservação.

Além da lâmina, o mergulhador localizou também âncoras de metal e fragmentos de cerâmica.

“A espada, que está preservada em perfeitas condições, é um achado lindo e raro e, evidentemente, pertencia a um cavaleiro cruzado”, disse Nir Distelfeld, da IAA.

A água da costa do Carmelo permanece a mesma temperatura durante todo o ano, o que ajudou a preservar o ferro da espada.

Como o ferro foi oxidado, conchas e outros organismos marinhos grudaram nele como cola, disse Sharvit.

A descoberta de artefatos antigos aumentou à medida que a popularidade do mergulho cresceu em Israel, disse ele.

Na Segunda Cruzada, os comandantes muçulmanos derrotaram os cruzados ocidentais em Damasco, disse Jonathan Phillips, professor de história das Cruzadas na Royal Holloway, Universidade de Londres.

Durante a Terceira Cruzada, o rei Filipe Augusto da França, o rei Ricardo I (também conhecido como Ricardo Coração de Leão da Inglaterra) e o santo imperador romano Frederico I (também conhecido como Frederico Barbarossa), partiram para retomar Jerusalém.

Sugestão:  10 presentes atenciosos para o namorado

Saladin, o governante de uma área que cobre o Egito moderno, a Síria e o Iraque, conquistou-a em 1187, disse o Dr. John Cotts, professor de história medieval no Whitman College em Walla Walla, Wash.

Na época, o papa Gregório VIII tentou inspirar os cristãos ocidentais por meio de “grande linguagem emocional” a retomar Jerusalém dos muçulmanos, mas no final das contas o exército muçulmano manteve o controle da cidade, disse Cotts.

A espada teria sido cara de fazer na época e vista como um símbolo de status, disse Phillips.

Faz sentido que tenha sido encontrado no mar, disse ele, porque muitas batalhas foram travadas perto das praias, onde soldados cristãos desembarcaram e às vezes foram atacados por forças muçulmanas.

“Pode ter sido de um cavaleiro que caiu no mar ou o perdeu em uma luta no mar”, disse ele.

Quando Katzin o encontrou, ele disse que temia que fosse roubado ou enterrado sob a areia movediça, de acordo com um comunicado da autoridade.

O diretor geral da Autoridade de Antiguidades de Israel, Eli Escosido, elogiou o Sr. Katzin porque “cada artefato antigo encontrado nos ajuda a montar o quebra-cabeça histórico da Terra de Israel”.

O Sr. Katzin recebeu um certificado de agradecimento pela boa cidadania.

Aparentemente é feita de ferro e é emocionante encontrar um objeto tão pessoal, que transporta você 900 anos de volta no tempo para uma era diferente, com cavaleiros, armaduras e espadas”, completou.

As Cruzadas foram expedições militares que aconteceram na Idade Média, quando cavaleiros cristãos partiram da Europa em direção ao Oriente Médio.

Sugestão:  10 coisas para fazer com o seu parceiro se quiser ser feliz de verdade

O objetivo deles era tirar a Terra Santa do controle muçulmano.

A região onde a espada foi encontrada testemunhou importantes momentos de batalhas que aconteceram no litoral da Terra Santa. via: trend.superuniverso

Gostou do artigo?

Média: / 5. Votos:

Até agora ninguém votou, vote você!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -