Não deixe de passar tempo na natureza, sua saúde agradece

79

É muito claro que há um constante declínio do contato humano com a natureza com o passar dos anos. Os dados apontam que mais da metade da população mundial vive agora em vilas e cidades. Além disso, cada vez mais o ser humano se distancia das experiências com a natureza, ficando mais imerso no mundo do concreto e das tecnologias e cada vez mais perdido em relação à sua existência e à sua saúde mental.

Influências sociais, econômicas, psicológicas, fisiológicas, comportamentais, ambientais e genéticas podem comprovadamente influenciar na saúde mental.

A vida urbana, a pressão por ser bem-sucedido, a ansiedade do que se pode conquistar nessa vida, a luta por melhores condições, a necessidade de ser bem-visto pelo outro, o pouco tempo para as muitas atividades, tudo isso tem consumido nossos dias, mas você sabia que o contato maior com a natureza pode ajudar a relaxar seu corpo e sua mente, organizar suas ideias e ajudar a proteger sua saúde mental?

Vamos descobrir um pouco mais a respeito, aprendendo sobre como o estilo de vida pode afetar a saúde mental, de que forma a depressão está associada ao nosso estilo de vida e especialmente, saber o que dizem os estudos e pesquisas mais recentes sobre como o maior contato com a natureza pode proteger a saúde mental e evitar a depressão.

A Depressão associada ao nosso estilo de vida

Diversos são os fatores que podem contribuir para que uma pessoa desenvolva a depressão, dentre eles estão: histórico familiar, transtornos psiquiátricos correlatos, estresse ou Ansiedade crônicos, disfunções hormonais, dependência de álcool e drogas ilícitas e traumas psicológicos.

Podemos concordar que o stress e ansiedade são muito maiores hoje em dia e que isso se deve também ao nosso estilo de vida, mas além desses fatores, outro fator interessante que também está associado ao índice de depressão, é o aumento da poluição.

O comentário de Isobel Braithwaite da University College of London, sobre os resultados dessa pesquisa associando o aumento da poluição à depressão é o seguinte: “Encontramos resultados bastante consistentes entre os estudos que analisaram a relação entre exposição prolongada à poluição do ar e depressão.”

Ou seja, o fato de morar em grandes cidades, com alto índice de poluição, também aumenta a possibilidade de entrar em uma depressão, especialmente quando combinado aos outros fatores mencionados.

Veja também:  Limpar a casa faz tão mal às mulheres como fumar 20 cigarros por dia

A ausência do contato com a Natureza é prejudicial

Estudos revelam que os únicos animais que sofrem de fome, depressão ou stress, são aqueles que dependem dos humanos que os confinam e maltratam. Raramente você verá um animal deprimido quando ele está em seu habitat.

No entanto, em zoológicos, por exemplo, o índice é tão grande que a organização World Animal Protection, preparou um relatório, onde expôs que centenas de zoológicos e aquários são acusados de maus tratos.

Além disso, nunca se ouviu falar de um índice tão grande de animais domésticos em depressão, sendo que hoje já existe até mesmo atendimento terapêutico para os PETS.

Sabemos que fora de seu lugar, os animais, mesmo que sejam bem tratados, não estão seguindo seus instintos, como o de caçar, por exemplo. Isso traz um desequilíbrio, e, negando sua natureza o animal entra em um quadro depressivo.

Entendemos que o homem é o único animal racional, mas também é aquele que mais facilmente perde o contato com suas origens, portanto, com seu destino. Deixe-me explicar melhor: o homem é o único animal que desconhece a razão de sua existência.

Segundo o Psicólogo e Psicoterapeuta Samuel Ribas, ao observar a natureza de forma geral, percebemos uma comunhão presente.

O que chamamos de instinto pode também ser visto como sintonia: aquilo que faz com que uma tartaruga que acabou de nascer corra em direção ao mar e siga seu caminho. Por isso não há na natureza as chamadas crises existenciais.

Já os que vivem afastados da natureza, nas grandes cidades, já não vivem a essência, e já não cumprem seu real papel neste “ciclo sem fim”.

É igual para nós, dizem que quem não sabe de onde veio, não sabe para aonde vai. Somos parte de um todo e o fato de nos afastarmos cada vez mais do que é natural para vivermos em uma “selva de pedras”, torna-nos cada vez mais perdidos, com uma crise existencial sem precedentes e um índice de distúrbios mentais cada vez maior.

Veja também:  Idosa de 102 anos diz que o segredo para viver muito é beber cerveja

Além disso, o ambiente em que vivemos faz com que nosso cérebro seja constantemente estimulado pela poluição sonora e visual, o silêncio é raro nas grandes cidades, ora ouvimos o trânsito, ora os vendedores, ora música e às vezes é difícil até mesmo de se concentrar.

Benefícios do contato com a natureza

Segundo o filósofo ecológico Arne Naess: “um senso ampliado de si mesmo, como em um relacionamento recíproco com outras espécies vivas e sistemas ecológicos[…], pode fornecer um senso aprimorado de auto-realização e realização de potencial pessoal”.

Um dos benefícios do contato coma natureza é a tendência a reduzir o estresse tanto psicológico quanto fisiológico aumentando o bem-estar, a vitalidade e até mesmo a capacidade de tomar decisões importantes já que a capacidade de refletir sobre os problemas também é aumentada nesse contato.

A pesquisa publicada pelo Jornal Internacional de Saúde Pública aponta: “Aspectos do parentesco com a natureza que refletem o prazer da natureza foram consistentemente associados à redução de problemas de saúde, consistentes com evidências generalizadas dos benefícios à saúde e ao bem-estar de experimentar a natureza.”

É comprovado que tendo algum contato com a natureza no nosso dia a dia podemos melhorar o humor, reduzir sentimentos de estresse ou raiva, sentir-nos mais relaxados, melhorar a nossa saúde física, confiança e auto-estima, ser mais ativos e até mesmo fazer novas conexões.

Pessoas que sofriam de stress e começaram a cultivar um jardim, por exemplo, demonstraram uma grande melhora em sua qualidade de vida, pois foi uma atividade terapêutica.

Em outro estudo, a Universidade de Harvard com o Brigham and Women’s Hospital entrevistou mais de 108 mil mulheres e descobriu que a taxa de mortalidade das que viviam em áreas mais verdes era 12% mais baixa do que aquelas vivendo em centros urbanos menos arborizados.

Alguns outros benefícios comprovados da interação com a natureza são:

  • Ajuda a recuperar o cérebro da fadiga;
  • Melhora a capacidade da memória;
  • Estimula o aprendizado e a curiosidade;
  • Melhora o aprendizado e as funções cognitivas;
  • Pode aliviar sintomas de Alzheimer, demência, estresse e depressão;
  • Ajuda no desenvolvimento das crianças;
  • Encoraja a imaginação, criatividade e a interação social;
  • Diminui sintomas do Distúrbio de Déficit de Atenção em crianças;
  • Reduz a Hipertenção;
  • Ajuda no processo de recuperação pós cirúrgicos.
Veja também:  Escolha uma lua e ela revelará seus pensamentos escondidos

Dicas para interagir mais com a natureza

Falamos sobre a falta que faz este contato e sobre como ele pode ser benéfico, mas de que formas podemos interagir com a natureza? Trouxemos então algumas dicas de interações que podem ser feitas em casa, outras dentro de sua própria cidade e outras ainda, um pouco mais elaboradas:

  • Praticar jardinagem
  • Cuide de uma plantinha como um Bonsai, por exemplo.
  • Tenha uma horta em casa (hoje em dia existem as hortas verticais que cabem até mesmo em um cantinho de sua cozinha)
  • Colha, frutas e verduras (Sabia que existem inclusive pacotes turísticos que incluem a experiência da colheita? Também existem fazendas e pomares que permitem que você participe da colheita dos alimentos que vai adquirir)
  • Passeie em parques da sua cidade (e faça um piquenique!)
  • Programe um passeio de ecoturismo como caminhadas ecológicas ou cicloturismo, você pode ainda se aventurar escalando ou praticando rapel em uma cachoeira!
  • Pratique alguma atividade náutica: passeio de pedalinho ou de barco, canoagem, rafting, vale até Boiacross (quando se desce uma corredeira com câmaras de ar)!
  • Vá à praia
  • Se você gosta de desenhar ou pintar, aproveite uma paisagem natural para desenhar.
  • Tire férias em um local de serra, fazenda ou hotel rural.
  • Saia para tirar fotos da natureza, isso vai te ajudar a começar a interagir com os detalhes
  • Experimente um programa de eco terapia, são diversas opções interessantes.
  • Agende uma visita em um observatório para ver as estrelas
  • Escute sons da natureza para relaxar antes de dormir

Comprovadamente, o contato com a natureza tem seus benefícios e vale refletir qual opção cabe no seu dia a dia e no seu bolso para que você desfrute de uma experiência agradável com a natureza e se reconecte com suas origens, o que certamente vai promover um maior equilíbrio em todo o seu ser.

fonte: sinaisdeluta.com