Proprietários dos BMW são os piores condutores que andam na estrada

19

A ousadia de alguns compromete a segurança de outros e nem sempre as pessoas revelam as melhores atitudes ao volante.

A rotina citadina e as manobras mais arriscadas podem traduzir comportamentos menos exemplares e caricatos que podem, até, ser alvo de troça.

Foi precisamente essa análise comportamental que o site GoCompare decidiu fazer, entrevistando para tal cerca de 2000 pessoas, com o intuito de apurar as principais caraterísticas que definem os piores automobilistas.

Os dados revelaram-se e a conclusão foi clara: os proprietários dos BMW são os piores condutores da amostra.

OS PROPRIETÁRIOS DOS BMW SÃO OS PIORES CONDUTORES: DESCUBRA PORQUÊ!

TRÊS PRIMEIRAS POSIÇÕES DO RANKING

O site de comparação de seguros GoCompare realizou este estudo no Reino Unido, tendo feito para tal entrevistas através das quais concluiu que os proprietários dos BMW são os piores condutores, pois representam 24% da problemática nas estradas.

Este valor é ainda mais elevado na Irlanda do Norte – região denominada de East Midlands -, onde representa 35%.

Os resultados da lista referem que o segundo lugar da lista dos piores condutores foi ocupado pelos proprietários da Ford Transit – veículo este normalmente associado a uma utilização de natureza mais comercial nas estradas – com 21,8% no ranking.

Curiosamente, existe uma certa rivalidade entre os próprios condutores da BMW e da Ford Transit os quais, em defesa da sua condução, criticam os proprietários das carrinhas.

Apesar do estudo da GoCompare referir que no geral os proprietários dos BMW são os piores condutores, os valores da taxa de sinistralidade penalizam ainda mais a Ford, uma vez que a cada 100 mil milhas percorridas, os condutores da Ford Transit estão envolvidos 3,8 vezes em menos acidentes com feridos do que modelos de ligeiros de passageiros.

Veja também:  Se você tem medo da solidão este texto é para si, leia e siga seu caminho

A lista referencia ainda que o terceiro lugar dos piores condutores é ocupado por taxistas, com uma totalidade de 14.1%, incluindo ainda a lista os proprietários da Audi, Mercedes-Benz e Ferrari. Os condutores de Volkswagen Golf e Vauxhall Astra e Toyota Prios, em específico, estão igualmente incluídos na lista.

ANÁLISE POR FAIXAS ETÁRIAS

Este ranking fez também uma análise por faixas etárias. Condutores mais velhos (entre os 45 e os 64 anos) assumiram que os proprietários dos BMW são os piores condutores. Por outro lado, os condutores mais jovens (entre os 18 e 24 anos) elegeram os condutores de carrinhas como os piores.

Por fim, os proprietários da marca Lexus e condutores de modelos como o Ford Focus acabaram por ter uma conotação menos negativa, ficando nos últimos lugares da tabela.

Dentro da “gíria popular automóvel”, existe igualmente uma “impressão” de que os os proprietários dos BMW são os piores condutores. Canais televisivos de jornalismo automóvel como Top Gear ou fóruns automóveis tendem em conotar os condutores dos BMW como indivíduos agressivos e competitivos.

Apesar destes dados relatarem a realidade do Reino Unido, seria interessante fazer o mesmo estudo em território nacional, questionando se por cá os proprietários dos BMW são ou não os piores condutores. Até lá, conduza com a alma e não com os nervos. Mais que uma questão de conduta, é uma atitude ética que deve ser partilhada por todos nas estradas.

CONCLUSÕES DE UM ESTUDO DA PREVENÇÃO RODOVIÁRIA PORTUGUESA

É importante saber que o comportamento no trânsito é um forte indicador sobre as caraterísticas de cada indivíduo. Infelizmente, são poucos os que seguem à risca todos os ensinamentos do código da estrada e a falta de maturidade e equilíbrio é visível na hora de saber controlar algumas reações ao volante.

Veja também:  A tecnologia pode unir quem está longe, mas separa quem está perto

Um estudo da Prevenção Rodoviária Portuguesa (PRP) destacou graves vícios que se evidenciam na maioria dos condutores portugueses, desde a frequência da prática de manobras extremamente perigosas, à falta de respeito pelos vários sinais de trânsito até ao excesso de velocidade.

Estas e outras observações conduziram a diversas tipologias de condutores e vícios associados a cada um deles.

OS PIORES ERROS COMETIDOS PELOS CONDUTORES

  1. NÃO USAR O CINTO DE SEGURANÇA
    Um vício bastante comum, presente em diversos ambientes rodoviários, especialmente em grandes centros da cidade e praticado, maioritariamente, por condutores masculinos. Além disso, apenas 66% das mulheres e 73% dos homens utilizam o cinto de segurança quando ocupam os lugares traseiros do carro.
  2. NÃO ATRAVESSAR NA PASSADEIRA
    Não só os condutores foram incluídos neste estudo. Um dado preocupante é o facto de 33% dos peões – especialmente as crianças – não utilizar as passadeiras para atravessar as estradas. Cerca de 20% dos mais pequenos atravessam fora da passadeira, ainda que com a presença de um adulto.
  3. TER LUZES DO AUTOMÓVEL FUNDIDAS
    O estudo revelou que 5% dos modelos têm ausência ou anomalia do sistema de sinalização luminosa.
  4. CONDUZIR COM VELOCIDADE EXCESSIVA
    64% dos carros que circulam em autoestradas andam acima da velocidade permitida por lei. No centro das localidades, 34% dos veículos ultrapassam o limite de velocidade.
  5. FALAR AO TELEMÓVEL
    Da avaliação retida, 2,5% dos condutores registados conduziam, enquanto usavam o telemóvel. Dentro deste valor, as mulheres superaram os homens, particularmente em autoestrada.
  6. NÃO LIGAR O “PISCA”
    Metade dos condutores não tem o hábito de ligar o pisca. Neste caso, são as mulheres que o fazem com menos frequência.
  7. ACUSAR EXCESSO DE ÁLCOOL NO SANGUE
    De acordo com o que o estudo apurou, 1,8% dos condutores foram intercetados a circular com uma taxa de álcool no sangue igual ou superior de 0,5g/l. 0,3% dos condutores apresentaram valores acima dos 1.2 g/l, o que é registado como crime.
  8. PASSAR O SEMÁFORO VERMELHO
    Um hábito recorrente, quando se está com pressa. Quase 40% dos condutores passa o sinal vermelho, mesmo que passados 3 segundos depois deste cair.
  9. NÃO PARAR NO SINAL “STOP”
    Parar é uma coisa, imobilizar é outra, e 85% dos condutores aborda o sinal “Stop” como se se tratasse de uma cedência de passagem. Apenas 15% imobilizam o carro perante o sinal.
  10. ANDAR COM FALTA DE PRESSÃO DOS PNEUS
    Dos automóveis avaliados, o estudo indica que 50% encontram-se com os valores de pressão desregulados, o que compromete a segurança do carro quer em curva, quer em travagem.
Veja também:  A depressão e a ansiedade são sinais de luta, não de fraqueza

fonte; e-konomista