Você come carne estragada e não sabe, eles fazem assim

7018

Todas as carnes são fortes agentes acidificantes do sangue, pois necessitam de ácido clorídrico para a sua difícil digestão no organismo humano.

Imediatamente após a morte de qualquer ser vivo, a decomposição de seus restos mortais começa a acontecer, pois a essência vital que regia aquele corpo não se encontra mais lá.

Isso é uma regra básica e se aplica a TODOS os seres que estão vivos. Sabendo disso, a indústria da morte tenta, a qualquer custo esconder essa informação para seus compradores.

Maquiar o estado de putrefação latente, aplicando componentes químicos nesta carne em decomposição (carniça) é prática comum e, pior, legalizada. Entre esses componentes está o monóxido de carbono, gás incolor, inodoro e altamente tóxico para a saúde humana.

Portanto, após o animal de abate ser escravizado, torturado, morto, “limpo”, dilacerado, sofrer tratamentos químicos tóxicos, armazenado, transportado, embalado, armazenado novamente para finalmente ser comprado por você (e paga caro por isso ainda por cima) para desfrutar um lindo pedaço de carniça podre tóxica.

Dentre os distúrbios nervosos podemos classificar alguns mais comuns: irritação, brutalidade, nervosismo sem causa aparente, depressão, angústia, insônia, medo, etc., os mesmos sintomas causados pelo stress da vida moderna.

O gado recebe doses muito grandes de vacinas e não se pode avaliar as perturbações que as reações imunitárias do gado contra as doenças, pode causar ao organismo humano.

O uso excessivo de carne causa um acúmulo nas vias digestivas, produzindo a proliferação de bactérias patogênicas que podem provocar focos infecciosos e intensa putrefação intestinal. Assim, o ambiente intestinal fica propício à apendicite, colite, constipação intestinal (prisão de ventre) e muitas outras doenças …

Veja também:  Pessoas com olhos verdes são especiais, pesquisa revela 7 motivos

A carne bovina é muito fibrosa e grande parte do seu peso é eliminado, dando antes muito trabalho ao organismo para metabolizá-lo e transportar seus restos para a excreção.

Com isto, há maior desgaste orgânico e consequentemente uma diminuição do tempo de vida e do tônus do aparelho digestivo, além do que a produção muito acentuada de enzimas proteolíticas causa intenso desgaste orgânico. Talvez seja por esse motivo pelo qual um animal carnívoro viva menos tempo do que um herbívoro.

Nos entrepostos, é acrescentada à carne uma substância capaz de causar a esterilidade e a impotência no homem, além de ter também propriedades altamente cancerígenas; é o nitrito de sódio, usado para tornar a carne vermelha (para dar um bom aspecto, pois a carne é cinza e feia) e aceitável pelo consumidor.

Já parou para pensar o porquê de tantos casos de câncer no mundo? Saia da matrix do carnismo!