Você deve fazer carinho no seu cão antes de sair de casa

Entre os olhos tristes de partir o coração e a explosão de felicidade quando voltamos, muitos donos de cães (com razão lisonjeados) se perguntam o que acontece no meio.

A evidência física sugere que nada realmente ruim acontece – fora o ocasional chinelo mastigado – mas, no entanto, está claro que nossos cães preferem não ser deixados para trás.

Um novo estudo de pesquisadores das Universidades de Pisa e Perugia, na Itália, confirma que os cães não exibem sinais de incômodo extremo enquanto estamos fora. No entanto, os cientistas descobriram que os cães têm mais facilidade emocionalmente quando lhes damos carinho e carinho antes de sair.

Os pesquisadores realizaram experimentos com 10 cães saudáveis ​​entre 1 e 11 anos de idade e sem problemas incomuns de apego. Seis eram fêmeas castradas e quatro eram machos castrados. O grupo era composto por sete cães mestiços, um labrador retriever, um hovawart e um chihuahua.

Os testes foram realizados em área externa cercada e filmados para posterior análise. Seus donos levaram seus cães amarrados até a área cercada, onde cumprimentaram um pesquisador, também conhecido como Líder de Teste 1.

Um segundo pesquisador mediu os batimentos cardíacos do cão usando um estetoscópio e partiu rapidamente. Cada cão foi testado duas vezes. No primeiro teste, chamado de teste NGT (“Sem toque suave”), o dono e o Líder de Test 1 conversaram por um minuto, essencialmente ignorando o cão.

Para o segundo, teste WGT (“Com toque suave”), o dono acariciou o cachorro durante o bate-papo de um minuto do Líder de Teste 1. Em ambos os testes, após o breve bate-papo, o dono entregou a coleira ao Líder de Test 1 e se escondeu atrás de um galpão por três minutos a uma distância considerada muito grande para o cão sentir o cheiro de seu dono.

Sugestão:  Encontre 1 erro em 10 segundos, a maioria não consegue

O cão estava livre para se movimentar pelo recinto na medida em que a coleira de 1,5 metro permitia. Os cães gastaram uma quantidade significativa de tempo procurando seu dono – em três minutos, eles procuraram entre 84,5 e 87,5 segundos.

Após a separação, o Líder da Equipe 1 chamou o proprietário e a coleira foi entregue. Após 15 minutos de atividade leve, a saliva do cão foi testada quanto à presença e nível do hormônio do estresse cortisol.

Todos os cães participaram de ambos os testes, separadamente. Os testes foram espaçados de 5 a 9 dias e ocorreram aproximadamente nos mesmos horários para consistência dos níveis de cortisol.

Os pesquisadores descobriram que, quando os cães eram acariciados, eles exibiam um comportamento mais relaxado durante a separação.

Os batimentos cardíacos dos caninos foram testados antes e depois da separação – eles podem ter sido elevados desde o início da viagem de carro até o local do teste.

Após o teste NGT, os batimentos cardíacos dos cães permaneceram inalterados pela separação. Após o teste WGT, os batimentos cardíacos dos cães realmente caíram, indicando que o experimento os deixou mais relaxados do que quando chegaram.

Os níveis de cortisol foram os mesmos após ambos os testes. O estudo sugere que seria uma boa ideia desenvolver o hábito de passar um pouco mais de tempo com seu amigo toda vez que você planeja sair de casa. Seu cão ficará mais feliz por isso. via:sinaisdeluta.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

3 signos que nunca são fiéis